Educação

O papel dos professores no enfrentamento à evasão escolar

Voltar para a sala de aula após dois anos de pandemia é confrontar os velhos e os novos problemas da Educação brasileira, entre eles, um crucial: a ausência dos alunos, por evasão ou abandono escolar

No segundo semestre de 2021, cerca de 244 mil crianças e adolescentes entre 6 e 14 anos estavam fora da escola. É o que mostra o levantamento do Todos Pela Educação, a partir dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua). Para se ter uma ideia, 244 mil é número suficiente para lotar três vezes o estádio do Maracanã. Essa realidade representa um aumento de 171% em relação a 2019, quando o número era de 90 mil crianças longe das salas de aula.

Agora, se não estão na escola, onde estão essas crianças e jovens?

Por que não voltaram para a sala de aula?

No cenário pré-pandemia, a situação já era preocupante, agora, porém, é emergencial e ainda mais complexa. Para além dos problemas transversais que impactaram a vida dessas crianças e jovens, atraí-los para a escola novamente e mantê-los motivados durante o percurso escolar é urgente.

Não é novidade o diagnóstico de que a escola precisa se reiventar para se conectar com os interesses das novas gerações, de que precisa fazer sentido na vida dos alunos, abrindo espaço para descobertas e questionamentos. Com isso em mente, de que forma os professores podem apoiar na construção de uma escola que faça sentido na vida dos estudantes?

Embora o processo de reinvenção da escola seja, necessariamente, um projeto coletivo que se coloca em ação a partir do comprometimento conjunto da gestão escolar, dos educadores, alunos, pais e comunidade, passos importantes podem ser dados a partir do fazer do professor.

“Esse exercício de conexão com o que interessa e faz brilhar os olhos dos alunos, que dá espaço e potência para o desenvolvimento e aprendizagem de crianças e jovens, se dá pelo saber do professor, seu comprometimento ético e sua sensibilidade em criar pontes:  entre seus alunos e o mundo, entre os conhecimentos compartilhados nos povos e suas culturas, elos entre família, comunidade e escola, pontes entre a sala de aula e o contexto.

Somente criando pontes é possível uma construção de conhecimento, dando condições para relações plenas de sentido e pertencimento”, esclarece Ana Flavia Castanho, Coordenadora Pedagógica da Plataforma Vivescer, iniciativa do Instituto Península.

Acesso à escola é direito da criança, mantê-la estudando é um dever do Estado

Não há geração perdida, o que há é a necessidade contínua de trabalhar pela melhoria da educação, em todos os aspectos. Para que não apenas o abandono e a evasão escolar deixem de existir, mas acima de tudo, o direito de crianças e jovens sejam garantidos, conforme consta no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) em seu artigo 53:  A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania. (…) Igualdade de condições para o acesso e permanência na escola.

Obviamente que para o enfrentamento desse problema é preciso mobilizar todos os atores sociais para que se engajem e se comprometam em fazer a parte que lhes cabe – sociedade, família, escola e estado. E em todas as estratégias de mudança, a atuação do professor é essencial.

Investir nos professores pode impactar o abandono e a evasão escolar?

“Quando os alunos têm uma visão de si mesmos como capazes de aprender e vivem relações de pertencimento e de sentido na escola, algumas das razões por trás da evasão podem ser atenuadas e o desejo de seguir o percurso escolar é fortalecido. Para isso, é vital a ação dos professores, que alimentam esse processo no dia a dia de suas turmas,” diz Ana Flávia.

Segundo a coordenadoda, essa atuação se fortalece pelo compromisso coletivo, ou seja, para que essa experiência tão plena de sentido possa se estender a todos os alunos, é preciso que se institua, na escola como um todo e em cada sala de aula, uma cultura de escuta e reafirmação do potencial de todos em aprender. 

E complementa: “Quando a instituição escolar investe nessa cultura de pertencimento e no comprometimento com cada um de seus alunos, potencializa-se a ação dos professores em mapear as necessidades de sua sala de aula, conhecer seus  alunos, dar voz e espaço a cada um deles e apoiá-los na criação de contextos de engajamento e participação”.

Este texto não traz conclusões, mas sim uma provocação: e se ousarmos repensar a escola?

Posts relacionados
Esporte

Esporte: um potente aliado na motivação dos alunos

Educação

Acolhimento de professores é essencial na retomada das aulas presenciais

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support