Pesquisas

Qualidade do professor impacta 60% o aprendizado dos alunos, revela estudo inédito do Instituto Península

Levantamento feito em parceria com Movimento Profissão Docente e FGV reforça a importância do investimento em professores

O estudo Qualidade do Professor Brasileiro, pesquisa inédita do Instituto Península realizada em parceria com o Movimento Profissão Docente e com o Centro de Estudos em Administração Pública e Governo (CEAG) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), revela que a qualidade do professor é o fator que mais impacta os resultados educacionais do Brasil, sendo responsável por 57,76% do aprendizado dos alunos do ensino fundamental nas redes municipais e 36% no ensino médio estadual. O levantamento destaca que investir na formação e na atração de bons profissionais para a carreira é o principal caminho para a melhoria da Educação no país.

A análise revela que os professores impactam mais significativamente o desempenho educacional do que outros fatores, incluindo a infraestrutura das escolas, o número de alunos por turma, o nível de escolaridade dos responsáveis, entre outros. Considerando esses elementos adicionais, o estudo explica o impacto de 65,7% no aprendizado do ensino fundamental e de 47% no ensino médio, concluindo que o peso da qualidade docente para a compreensão do aprendizado dos estudantes é considerável.

Heloisa Morel, diretora executiva do Instituto Península, ressalta que já é sabido que os professores são o fator intraescolar que impacta a aprendizagem dos estudantes e que os dados do estudo Qualidade do Professor Brasileiro reforçam ainda mais essa relação. “Não há o que possa ser feito para resolver a crise de aprendizagem no Brasil que não passe pelos professores. É essencial aprimorarmos políticas públicas que garantam uma formação inicial de qualidade nas licenciaturas, bem como melhorar as condições de trabalho dos professores em todo o país e seu desenvolvimento ao longo da carreira, o que inclui políticas voltadas ao aumento da atratividade da profissão”, explica.

“Um professor bem-preparado lida melhor com as adversidades em sala de aula e em todo o contexto da Educação e, por isso, é tão importante o envolvimento dos principais agentes educacionais no aprimoramento das políticas que perpassam esta carreira. Além disso, é indispensável um olhar atento para outros fatores que vão além da profissão, como as realidades sociais e econômicas de cada região, que impactam diferentemente cada sala de aula”, completa Heloisa.

O estudo foi realizado pelos professores Fernando Luiz Abrucio e Gustavo Andrey Fernandes, da FGV, contemplando também suas pesquisas e obras acadêmicas. Para chegar aos resultados, cruzou dados do Censo Escolar, da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e do Censo do Ensino Superior, e levou em consideração cinco eixos: vocação, engajamento e identidade; qualidade da formação acadêmica inicial dos professores; qualidade da formação pedagógica e das competências docentes; condições de profissionalização e resultados de eficácia, efetividade e equidade, que fossem aderentes à literatura atual sobre carreira e qualidade docente.

Para compreender melhor o impacto dos professores nos resultados de aprendizagem, os dados foram padronizados e sintetizados em um índice, o que permitiu o cruzamento de informações sobre qualidade docente e resultados de desempenho dos alunos dos ensinos fundamental e médio de todo o país.

Clique aqui para acessar a pesquisa na íntegra.

Posts relacionados
Pesquisas

Indicador de Valorização de Professores - IVP

Pesquisas

84% dos professores concordam que cursos presenciais formam docentes mais bem preparados para o início da profissão

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support