Pesquisas

Volta às aulas presenciais no Brasil: apenas 11% dos professores acreditam que os alunos aprenderão o esperado em 2022

Em nova pesquisa, Instituto Península aponta as perspectivas dos professores sobre o retorno às salas de aula. Dados também revelam a preocupação dos educadores com sua saúde emocional e as dificuldades interpessoais e de aprendizado dos alunos.

São Paulo, 22 de julho de 2022 – Mesmo com a volta às aulas presenciais em algumas capitais em 2021, foi no primeiro semestre de 2022 que o retorno passou a ser adotado pelas redes municipais, estaduais e particulares de ensino em todo o país. A fim de compreender como foi essa transição do virtual para o presencial em todas as esferas, o Instituto Península – organização social que acredita no professor como principal agente transformador da Educação brasileira – ouviu cerca de mil educadores de todas as regiões do Brasil e revela dados inéditos sobre os primeiros seis meses de ensino em 2022, no estudo “Retratos da Educação pós pandemia: uma visão dos professores”.

A pesquisa evidencia a preocupação dos professores em relação à aprendizagem dos estudantes como principal alerta. Dos educadores entrevistados, 92% concordam total ou parcialmente que os estudantes apresentaram dificuldades de concentração no primeiro semestre do ano letivo. Outro ponto evidente no estudo relata as dificuldades acerca das relações interpessoais: 73% dos professores notaram que os estudantes têm apresentado dificuldade no relacionamento com os professores ou com os colegas de sala de aula.

Questionados sobre como avaliam o aprendizado dos alunos neste primeiro semestre, apenas 11% dos professores acreditam que os alunos conseguirão cumprir o esperado para o ano letivo de 2022. Um dado preocupante e que requer atenção de todos os pilares da sociedade, não apenas dos professores, diretores e especialistas das secretarias de Educação do país.

Heloísa Morel, diretora executiva do Instituto Península, sinaliza a importância de um olhar atento para reverter este cenário. “É preciso olhar com cuidado para esses estudantes e suas realidades individuais, pois sabemos que, para muitos deles, o período de ensino a distância foi extremamente desafiador, o que aumenta a dificuldade na retomada das aulas presenciais. Estes jovens necessitam ser acolhidos de forma que estejam seguros para desenvolverem as competências que a escola tem a lhes oferecer. Para isso, é fundamental que os professores também passem por um processo de acolhimento para que, assim, estejam mais preparados para lidar com o novo contexto pós-pandemia dentro das salas de aula de todo o país”, explica Heloísa.

Neste sentindo, a pesquisa aponta que mais da metade dos professores indicam que as escolas (55%) de todas as redes – federal, estadual, municipal e privada de ensino -, definiram estratégias para lidar com o impacto do período de fechamento neste primeiro semestre. Dentre as escolas que definiram ações para minimizar o impacto, o envolvimento dos professores é de 31%, o que sinaliza o quanto o sistema de ensino está aberto à percepção docente e ouve a linha de frente sobre o dia a dia em sala de aula e o contato direto entre educadores e alunos.

Os professores acreditam (60%) que a estratégia mais efetiva para aumentar a motivação e aprendizagem dos alunos é um maior envolvimento das famílias e da comunidade escolar. Seguido de 45% que apostam na aplicabilidade de metodologias ativas de aprendizagem, 45% também endossam a necessidade de aulas de reforço escolar.

Para lidar com as questões sociais e emocionais dos alunos, é possível notar que as escolas têm tomado medidas para minimizar os efeitos causados pelo período do ensino remoto e o pós-pandemia. Dos professores ouvidos, muitos atuam em escolas que estão realizando rodas de conversa (43%), espaços de escuta individual (37%), apoio psicológico (36%) e criando redes de suporte multidisciplinares (30%) para ajudar seus alunos. Porém, os professores não recebem a mesma atenção que os alunos neste contexto: 37% dos docentes ouvidos atuam em escolas que fazem rodas de conversa com os educadores, o que é muito positivo, mas apenas 21% atuam em escolas que ouvem os professores individualmente e apenas 10% em escolas que contrataram profissionais para oferecer apoio emocional ou psicológico para seus funcionários.

Tecnologia: recurso emergencial que se mantém no retorno às aulas presenciais

Adotada como medida emergencial logo quando as escolas precisaram fechar para cumprirem com os requisitos sanitários recomendados, a tecnologia tem sido uma grande aliada ao processo de ensino-aprendizagem. Nesta pesquisa, é possível observar o dado de que a maioria dos professores atuam em escolas em que a tecnologia tem sido usada frequentemente ou muito frequentemente para apoiar a comunicação entre alunos, professores e famílias (61%). Como segundo recurso, ela tem auxiliado a potencializar as aulas presenciais (51%), seguida para promover apoio ao planejamento do professor (50%).

Aproximadamente 54% dos professores acreditam na tecnologia como ferramenta importante para modernizar o ensino e recuperar aprendizagens no pós-pandemia.  “Esse levantamento traz luz a um novo olhar para a Educação, em que recursos inovadores somam às metodologias já utilizadas em sala de aula. Precisamos enxergar a tecnologia como uma aliada do processo de ensino e explorá-la da melhor maneira para que ela inclua e favoreça cada vez mais o desenvolvimento dos estudantes”, finaliza Heloísa Morel.

O retorno às aulas presenciais e as estratégias para mitigar o impacto da evasão escolar

Um dos maiores desafios da Educação nacional é a evasão escolar, uma preocupação de todas as frentes de ensino há anos, não apenas no pós-pandemia. O Instituto Península buscou detectar o que as escolas têm feito para mitigar os impactos na evasão e abandono dos estudantes. Neste contexto, 73% dos professores ouvidos afirmam que as escolas têm feito uma busca ativa de alunos, sendo a maioria na rede pública de ensino, correspondendo a 81%.

A mobilização das famílias é a segunda estratégia adotada com maior evidência nas escolas, uma vez que 60% declararam esta ferramenta para diminuir os casos de evasão e abandono das crianças e adolescentes, tendo maior evidência nas escolas públicas (64%). Outra estratégia adotada em 24% das escolas foi a iniciativa de programas de alunos mentores que incentivam outros a retornarem para a escola. Esta última foi adotada por 26% das escolas públicas e 16% na rede privada.

Saúde mental

Como era de se esperar, neste momento pós-vacinas, as preocupações dos professores acerca da saúde física de seus alunos diminuiu. Em dados comparativos, em agosto de 2021 eram 87% dos docentes com essa aflição. Atualmente, são 57%. Porém, a preocupação com a saúde mental dos alunos, que já era alta, permanece inalterada. Ela representava 75% dos docentes em agosto de 2020 e, agora, corresponde à realidade de 73% dos entrevistados. A preocupação dos professores com a sua própria saúde mental também aumentou. Em agosto de 2020 eram 54% e, hoje, representa a realidade de 59%, revelando um quadro preocupante que demanda medidas emergenciais, uma vez que aumentou 30% o percentual de professores que se sentem sobrecarregados de maio de 2020 a julho de 2022, saindo de 35% para 60%.

Posts relacionados
Pesquisas

O Professor que queremos: Fatores de qualidade na formação inicial docente

EducaçãoNotas técnicasPesquisas

Planejamento da Força de Trabalho Docente no Brasil

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support